Quem Sabe, Não é?

27 Apr 2019 04:21
Tags

Back to list of posts

<h1>O Que Os Pol&iacute;ticos S&atilde;o capazes de E O Que N&atilde;o conseguem Fazer Nas Redes sociais</h1>

<p>Muita gente se pergunta quais s&atilde;o as diferen&ccedil;as entre trabalhar com marketing, publicidade e propaganda. H&aacute; quem acredite que &eacute; tudo a mesma coisa e quem tem na ponta da l&iacute;ngua o que difere cada uma das &aacute;reas. Obviamente, o professor de marketing dos cursos de MBA da FGV e diretor do Canal Vertical, Roberto Kanter, faz parte do segundo grupo.</p>

<p>Durante conversa com o NaPr&aacute;tica.org, Roberto nos ajudou a voltar a algumas defini&ccedil;&otilde;es para esclarecer a diferen&ccedil;a te&oacute;rica entre estas disciplinas. Assimilar publicidade e propaganda como ferramentas que o marketing utiliza para alavancar produtos ou servi&ccedil;os. Como o pr&oacute;prio nome prontamente sinaliza, tem o papel de propagar, anunciar e criar condi&ccedil;&otilde;es pra que o mercado conhe&ccedil;a o produto ou servi&ccedil;o da corpora&ccedil;&atilde;o. Ela engloba desde comunica&ccedil;&atilde;o em massa, feita em uma propaganda na televis&atilde;o ou em um an&uacute;ncio de jornal at&eacute; a&ccedil;&otilde;es de nicho, como panfletagem em uma pra&ccedil;a ou a montagem de um stand de degusta&ccedil;&atilde;o no supermercado.</p>

<p>“Sempre que haver uma a&ccedil;&atilde;o paga voltada a divulgar o servi&ccedil;o ou produto voc&ecirc; est&aacute; necessariamente fazendo propaganda”, fala Roberto. Cinco Dicas Matadoras De como Obter Curtidas No Facebook a comunica&ccedil;&atilde;o provavalmente espont&acirc;nea. Para Daniel Brito, diretor de fabrica&ccedil;&atilde;o da FCB Brasil, “olhar atrav&eacute;s do universo do consumidor” &eacute; o principal est&iacute;mulo pela exist&ecirc;ncia de um publicit&aacute;rio, que deve responder contas e universos diferentes, mergulhar e estudar sobre cada um deles. “Isso &eacute; para quem gosta da natureza humana, &eacute; um permanente desafio de venda, onde sempre podemos que a campanha atinja os objetivos comerciais que foram planejados pelo marketing.</p>

<p>A mensagem deve ser compreendida, gostada, compartilhada e memor&aacute;vel”, conta. Indica&ccedil;&atilde;o ProfissionalDesign Gr&aacute;fico ou Publicidade? &Eacute; algo muito global, que envolve a corpora&ccedil;&atilde;o como um todo. Realiza&ccedil;&atilde;o, canais de vendas, sele&ccedil;&atilde;o do mix ideal do portf&oacute;lio de produtos. O marketing est&aacute; diretamente envolvido com a estrat&eacute;gia corporativa”, fala Roberto. Relacionamento com todos os stakeholders que interessam ao neg&oacute;cio. H&aacute; ainda um campo hoje indispens&aacute;vel e tremendamente din&acirc;mico: o marketing digital.</p>

<p> Hiperatividade De Dilma Em Redes sociais Revela Nova Estrat&eacute;gia publicidade ou propaganda tendem a ter um c&eacute;rebro mais criativo. De alguma forma, eles s&atilde;o artistas. “Vejo a publicidade mais adequada para perfis extrovertidos, facilmente pela constru&ccedil;&atilde;o de relacionamentos pessoais e na cria&ccedil;&atilde;o de avalia&ccedil;&atilde;o. Prontamente a propaganda precisa de especialistas, com uma vis&atilde;o mais introspectiva”, destaca Roberto.</p>

<p>No marketing o que prevalece &eacute; o equil&iacute;brio entre o racional e o emocional. Ag&ecirc;ncia Socorro Choperia E Cabeleireiro Da Periferia A &quot;bombar&quot; Nas Redes mais generalistas, em que mat&eacute;rias de ambas as &aacute;reas s&atilde;o vistas e outras com t&oacute;picos espec&iacute;ficos e estabelecidos. Quem cursa administra&ccedil;&atilde;o ou comunica&ccedil;&atilde;o tem uma tend&ecirc;ncia superior em seguir a carreira no marketing e poder&aacute; at&eacute; j&aacute; optar por universidades que tenham uma grade curricular mais voltada para a &aacute;rea. Por outro lado, se a faculdade &eacute; de intercomunica&ccedil;&atilde;o com habilita&ccedil;&atilde;o em jornalismo o mais comum &eacute; seguir a rota da publicidade. Quem quer trabalhar com propaganda geralmente faz Design ou o pr&oacute;prio curso de Publicidade e Propaganda.</p>

<p>E esta falta de acesso democr&aacute;tico &agrave;s sugest&otilde;es acarreta pela problema do exerc&iacute;cio pleno da cidadania. Precisa-se por isso, garantir o acesso universal gratuito e p&uacute;blico &agrave; dado. As tecnologias de detalhes e comunica&ccedil;&atilde;o ainda n&atilde;o chegam &agrave; maioria da popula&ccedil;&atilde;o do planeta, em que pese o ritmo veloz de tua dissemina&ccedil;&atilde;o. Durante o tempo que o mundo economicamente mais montado localiza-se envolto em um complexo de redes digitais de alta pr&aacute;tica, utilizando intensamente servi&ccedil;os de &uacute;ltima gera&ccedil;&atilde;o, uma parcela consider&aacute;vel da popula&ccedil;&atilde;o dos al&eacute;m da conta pa&iacute;ses n&atilde;o tem acesso sequer &agrave; telefonia b&aacute;sica.</p>

<ul>

<li>21 Juventude Desportiva Monchiquense</li>

<li>Concebendo a produ&ccedil;&atilde;o de conte&uacute;do para redes sociais</li>

<li>Propaganda: como o p&uacute;blico-centro tomar&aacute; entendimento do produto</li>

<li>Krispy Kreme</li>

<li>Monitoramento de Buzz</li>

<li>sete - Interaja com os seus clientes</li>

<li>um - Invista em outras m&iacute;dias sociais</li>

</ul>

<p>Incont&aacute;veis fatores s&atilde;o respons&aacute;veis na elimina&ccedil;&atilde;o digital. Acervo Do Projeto Impulso Digital : fatores de exclus&atilde;o social acentuam a exclus&atilde;o digital e vice-versa. A falta de acesso &agrave;s oportunidades que a sociedade d&aacute; implicam em priva&ccedil;&otilde;es e na car&ecirc;ncia de cidadania. Econ&ocirc;micos:fatores relacionados ao sistema econ&ocirc;mico brasileiro, ao funcionamento do mercado global, ao sistema financeiro mundial, &agrave;s rela&ccedil;&otilde;es econ&ocirc;micas internacionais al&eacute;m de outros mais contribuem pra elimina&ccedil;&atilde;o.</p>

1*8nSc6P5u3Q7lvyFEydbFsw.jpeg

<p>A democratiza&ccedil;&atilde;o do acesso online no Brasil tem como fatores dificultadores as condi&ccedil;&otilde;es de pobreza da popula&ccedil;&atilde;o. A inexist&ecirc;ncia de recursos financeiros dificulta a aquisi&ccedil;&atilde;o de instrumentos eletr&ocirc;nicos como TVs, aparelhos de som, pcs, celulares. Desse modo, o acesso a estes objetos por parcela destas pessoas menos favorecidas depende de estabelecimentos p&uacute;blicos. Para se ter acesso &agrave; rede &eacute; necess&aacute;rio de uma infra-suporte b&aacute;sica pela qual precisamos ter uma linha telef&ocirc;nica e um pc e um provedor de Web.</p>

<p>N&atilde;o basta, mas dispor destas condi&ccedil;&otilde;es &eacute; necess&aacute;rio o dom&iacute;nio m&iacute;nimo para o manuseio do pc e dos recursos da Web. O acesso por conta do cidad&atilde;o por si s&oacute;, s&atilde;o condi&ccedil;&otilde;es inacess&iacute;veis a amplo parcela da popula&ccedil;&atilde;o devido ao empobrecimento econ&ocirc;mico e a baixa escolaridade. Cabe sobressair, por&eacute;m, que os fatores econ&ocirc;micos s&atilde;o minimizados com as pol&iacute;ticas de acesso, como as dos telecentros.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License